Igrejas em breve serão rotuladas de “grupos de ódio”

Campanha visa rotular todos que se opõe à agenda LGBT

0

 

A organização cristã “Hazte Oír” decidiu usar um autocarro especialmente preparado para rodar as cidades da Espanha com uma mensagem que fazia campanha contra a ideologia de gênero.

Com uma pintura especial, exibia a mensagem “Os meninos têm pênis. As meninas têm vagina. Não deixe que te enganem. Se você nasce homem, é homem. Se é mulher, continuará a ser”.

Logo as associações LGBT conseguiram impedir sua circulação, alegando que era “discurso de ódio” e “transfobia”. Isso foi em fevereiro. A ideia ganhou uma versão em inglês, no chamado “autocaro da Liberdade de Expressão”, que usa os mesmos dizeres e começou a circular em Nova York. Além de exibir a mensagem, distribuía livros e panfletos sobre o tema.

Estacionado em frente à sede das Nações Unidas, acabou pichado e vandalizado. O motorista do autocarro teve ferimentos leves por causa do incidente. Depois de consertado, ele continua sua tour pela costa leste, passando em diversos estados como Connecticut e Massachusetts.

O porta-voz do movimento nos EUA, Gregory Mertz explicou a Reuters que o objetivo de estacionar em frente à ONU era que os participantes da sexagésima primeira sessão da Comissão sobre o Status das Mulheres, pudessem vê-lo. O encontro reuniu lideranças de quase todos os países do mundo.

O fato do autocarro ser atacado não surpreendeu Mertz, mas sim o fato de grupos liberais iniciarem uma campanha dentro das Nações Unidas para rotular as organizações conservadoras que se opõem aos direitos transgêneros como “grupos de ódio”.

Surgiu então a campanha “Elimine o Ódio”, que defende o direito de expressão das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT), mas quer calar todos que defendam a família e os valores cristãos.

Segundo o que foi divulgado, essa campanha já iniciou pressionando os meios de comunicação a usarem a designação “grupo de ódio” para falar delas, comparando-as aos grupos religiosos extremistas.

A questão rapidamente se politizou, ganhando o apoio do partido Democrata, da candidata derrotada Hillary Clinton, que ainda luta na justiça para que as leis sobre a criação de “banheiros transgênero” assinadas pelo ex-presidente Barack Obama não sejam anuladas pela administração de Donald Trump.

A campanha liderada pela Media Matters For America já deu indícios de que os primeiros “alvos” serão as igrejas que defendem a visão bíblica de família e as ONGs cristãs que lutam pela vida e contra a ideologia de gênero.

Logo, a tendência é que termos como “extremista” e “discurso de ódio” sejam aplicados com frequência cada vez maior sobre toda igreja, organização religiosa ou líder religioso que tome uma postura pública criticando a agenda LGBT.

Como quase tudo que ocorre nos Estados Unidos logo vira padrão na mídia, o mesmo deve começar a ocorrer no Brasil também.

 

 

Artigos relacionados