“Deus não é seu fantoche”, lembra pastor da maior igreja dos EUA

Craig Groeschel pede que se abandone a ideia de um Deus “on demand”

0

O pastor Craig Groeschel, líder da Life.Church, começou uma nova série de sermões, onde tenta abordar as pessoas que dizem ter dificuldades em acreditar em Deus. Com o nome “Eu quero acreditar, mas…”, a primeira mensagem foi apresentada no domingo (8). Segundo ele, a principal lição que todo cristão precisa aprender é: “Deus é grande demais para ser meu fantoche”.

Sua megaigreja está completando 21 anos esta semana. Ela reúne cerca de 100 mil pessoas em seis templos, todos interligados pela transmissão ao vivo do culto a partir da sede, em Oklahoma City. A visão de Groeschel sempre foi utilizar a tecnologia para alcançar pessoas.

Criou, por exemplo, o aplicativo de Bíblia Youversion, que já foi baixado mais de 250 milhões de vezes e está disponível em mil línguas.

Embora não seja tão conhecido quanto outras megaigrejas americanas, a Life.Church – que também é o endereço de seu site na web – pode ser considerada a maior igreja dos EUA, uma vez que, em média, outras 100 mil pessoas acompanham o culto em suas casas pela internet em todos os demais estados norte-americanos. Por isso, suas mensagens vêm causando tanto impacto.

O foco atual do pastor Craig é mostrar como está equivocada essa ideia popular de que Deus deve dar-nos tudo que pedimos e no momento em que queremos.

Em seu sermão do domingo, ele insistiu que “Há muita gente pensando que estão rejeitando a Deus, mas elas não conhecem o Deus verdadeiro”. Para Groeschel, o que eles estão fazendo é causado por “uma visão distorcida de quem Deus realmente é”. Isso é, em parte, por causa da falta de conhecimento da Bíblia, mas também por que muitas igrejas estão divulgando uma mensagem distorcida.

Embora seja um entusiasta do uso da internet, no seu entendimento a sociedade em que vivemos está muito acostumada com serviços “on demand”. Seja na hora de assistir um filme ou buscar alimentação, tudo é simples e rápido. Bastam alguns cliques na TV ou no computador.

O pastor insiste que isso influencia nossa visão de Deus, pois esperamos que uma oração irá fazer com que consigamos tudo que pedimos. Quando as pessoas começam a ver a Deus como um serviço “on demand” e não têm a resposta esperada, isso gera incredulidade. Passamos a pensar que “talvez Deus não seja bom nem todo-poderoso”.

“Esse Deus não existe”, frisou, lembrando que “Nós é que existimos para servir a ele” e não o contrário. “Ele é o Criador e nós as criaturas. Ele é o oleiro e nós somos o barro. Ele é o Senhor e nós somos os Seus servos”, enfatizou.

Passou então a listar que o fato de Deus nos amar não significa que irá nos tratar como crianças mimadas. “Se você é pai ou mãe, sabe que nunca há um momento em que deixa de amar os filhos. Porém, há momentos em que não fazemos tudo o que eles querem. Deus também é assim”, sublinhou.

O segundo aspecto que precisa ser levando em conta, lembrando Isaías 55:8, é que “os caminhos de Deus são sempre mais elevados”. Ou seja, mesmo que algo que nos desagrada acontece, isso não muda quem Deus é. O maior exemplo dessa verdade é a cruz!

Na porção final, destacou que a presença do Senhor “É sempre o suficiente”. Em outras palavras, quando se está num relacionamento verdadeiro com Jesus, ele não irá nos abandonar nem precisamos nos preocupar com o que vai nos acontecer. Citando o Salmo 23: 4, lembrou que as promessas de Deus não são que nós não teríamos problemas ou dificuldades nesta vida, mas que o Senhor estaria conosco em todos os momentos, os bons e os ruins.

Craig Groeschel pediu a todos que estavam lhe assistindo ao vivo ou pela internet que façam uma profunda reflexão sobre o que realmente pensam sobre Deus e comparem essa ideia com o que a Bíblia revela sobre o Senhor. O sermão completo pode ser visto aqui (em inglês). Com informações de Christian Post